Siga o blog por Email

MEDITAÇÃO DIÁRIA

domingo, 20 de maio de 2007

HIGIÊNE: Pessoal

INTRODUÇÃO

A base para as Boas Maneiras é a auto-estima. Se a pessoa não se valoriza, então ela não se cuida; se ela não dá trato a si mesma e se a sua própria figura e os seus modos ofendem pela inadequação o sentimento de sociabilidade de seus semelhantes, cairá por terra toda possibilidade de que seus gestos possam significar deferência e respeito para com os outros. Os cuidados consigo mesma, incluída a higiene pessoal e a higiene do ambiente pelo qual a pessoa é responsável, devem ser, portanto, nosso ponto de partida.
O Brasil tem ainda, no campo e nas cidades, muita gente de hábitos muito primitivos de higiene, o que me obriga, dentro do propósito destas minhas páginas, a abordar alguns costumes que as pessoas mais cultas acharão detestáveis. Não tomem como desrespeito e insensibilidade, pois desejo mostrar uma realidade a aqueles que podem, através do ensino, contribuir para que tais hábitos sejam mudados.

Abaixo estão listados alguns tópicos relativos à higiene do corpo e ao asseio ambiental, para atenção em relação às crianças e aos jovens, em casa e na escola, e a adultos assistidos.

O CORPO

Além de fundamental para o intercâmbio social, a higiene do corpo é também importante para a saúde. Inúmeras doenças, principalmente da pele, dermatoses, impetigo, larva geográfica e micose de praia, por exemplo, decorrem de falta de higiene. Manter o corpo asseado e perfumado, e as roupas limpas, é o primeiro preceito a ser ensinado às crianças e jovens, no lar e na escola, e um imperativo para os adultos.

Cheiro do corpo.
O cheiro do corpo pode afetar o relacionamento social, como é o caso do cheiro de suor, a bromidrose, (suor malcheiroso) e do mau hálito, ou pode afetar apenas o relacionamento entre duas pessoas, como é o caso dos odores em partes íntimas.

Origem do odor.
Como a maioria dos animais, o homem tem dois tipos de glândulas sudoríparas, as glândulas ecrinas, que produzem apenas líquido refrescante para o corpo, e as glândulas. apocrinas, cuja secreção transporta gorduras e proteínas das células para o exterior do corpo.
As glândulas endócrinas estão distribuídas por todo o corpo e abrem diretamente na superfície da pele. Elas respondem prontamente a tensões ou ao calor. O suor que produzem é um plasma filtrado incolor que é 99% água e 1% outras substâncias químicas como compostos de sódio, cloro, potássio, cálcio, fósforo e ácido úrico.
As glândulas apocrinas, ao contrário, concentram-se em certas áreas peludas: nas axilas, na parte cabeluda da cabeça, e nas regiões umbilical, pubiana e anal. O suor que produzem vaza para os folículos capilares (raiz dos cabelos), e não diretamente sobre a pele. A secreção das glândulas apocrinas é alimento para as bactérias que estão na epiderme, e os produtos do metabolismo das gorduras e proteínas secretadas, digeridas pelas bactérias, é que produzem o cheiro desagradável do suor.

Raças.
Nos estudos sobre características raciais, - uma das preocupações mais fortes da sociologia em fins do século XIX e primeira metade do século XX -, indicaram que são os europeus e africanos que possuem maior quantidade de glândulas sudoríparas do tipo apocrina. A raça mongol tem menor quantidade, e nas axilas, onde a concentração é normalmente maior nas duas primeiras raças, os mongois podem não ter nenhuma, ou ter muito poucas. Os japoneses quase não tem odor nas axilas. Ao tempo da escravatura, os negros africanos se queixavam do cheiro dos mercadores franceses que iam comprar negros na África: diziam que cheiravam a "galinha molhada". No entanto, algumas etnias negras têm odor mais forte que os brancos.
Genética. Além da tendência racial, a genética individual faz variar a intensidade do odor entre membros do mesmo grupo étnico. Variam individualmente a distribuição, a quantidade e a intensidade da atividade das glândulas sudoríparas. Algumas pessoas têm hiperidrose axilar, ou excesso de suor nas axilas, que deixa grandes manchas na roupa. Essas pessoas geralmente não têm bromidrose porque a sudorese das glândulas écrinas lava as secreções produzidas pelas glândulas apócrinas que são as responsáveis pelo cheiro forte de suor.

Atividade física intensa.
As pessoas de qualquer raça que caminham muito, ou passam muito tempo em ambientes quentes e fechados, adquirem cheiro de corpo; o suor se acumula sobre a pele e impregna as roupas, quando essas são pouco ventiladas ou muito absorventes, e as secreções rapidamente deterioram devido a alimentarem as bactérias que existem na pele.

Alimentação.
Outro fator é a alimentação. O que a pessoa come como base de sua alimentação pode provocar cheiro do corpo. Eu próprio constatei, em uma área onde a população consumia muita rapadura, - embora não fosse uma região canavieira -, que as pessoas tinham um intenso odor de açucar mascavo.

Fungos.
São causa do mau cheiro nos pés os fungos, que provocam fissuras entre os dedos ou se concentram em pequenos nódulos na base dos artelhos na micose conhecida como pé de atleta. É, no entanto, um cheiro diferente do cheiro produzido por bactérias a partir do suor. É inútil tentar resolver o problema com qualquer tipo de talco. É necessário um bom fungicida, que um farmacêutico experiente saberá indicar.

Vestuário.
As roupas retêm o calor do corpo e por isso favorecem o suor e a conseqüente produção dos resíduos bacteriológicos que geram o mau cheiro. Mas o odor pode inclusive provir da própria roupa, e não do suor. Alguns tecidos sintéticos usados em camisas ficam mau cheirosos quando aquecidos pelo calor do corpo. Também a roupa que é lavada mas não perde todo o sabão, ou que demora a secar, principalmente na época de chuva, adquire odor desagradável.

Outras causas .
Alguns problemas de saúde são causas menos comuns da bromidrose.

SOLUÇÕES:

O banho diário utilizando-se uma escova para escovar as axilas com espuma de sabão e a aplicação de um desodorante comum ao local, após o banho, é talvez a melhor solução para se evitar o mau cheiro axilar. Se não houve cuidados prévios, e já está formado um revestimento amarelado em cada pelo, então é necessária a remoção dos pelos com um aparelho de barbear. Os pelos que nascerão depois se manterão limpos se forem tomados os cuidados acima indicados.
É necessário distinguir entre desodorante e antitranspirante. O primeiro cobre ou absorve os odores sem limitar a transpiração. O segundo inibe ou restringe a transpiração por reduzir as dimensões dos poros ou por obstruir e retardar sua secreção. Hidroclororeto de alumínio é o composto mais usado em desodorantes e antitranspirantes. O talco também absorve a umidade e o odor, porém com menor resultado. Existe também a solução cirúrgica, que consiste na eliminação de parte das glândulas sudoríparas.

Mau hálito.
São apontadas causas variadas para o mau hálito. É atribuído a refluxos do estômago que alcançam a garganta, à inflamação das gengivas, à simples presença de alimentos envelhecidos retidos entre os dentes, à cárie dentária e também as amígdalas que, mesmo que estejam sadias, em alguns casos têm uma estrutura que facilita a retenção de resíduos (pequenos carocinhos branco-amarelados) e neste caso o único modo de eliminar o mau hálito definitivamente é com a extirpação desses pequenos órgãos. A pessoa deve ser encorajada a procurar junto aos profissionais em cada área a possível causa do problema. Na escola as crianças podem ser ensinadas a escovar os dentes de modo a deixar os interstícios limpos (comprimindo a escova e fazendo penetrar seus fios nos espaços entre os dentes, ou usando fio-dental) e as gengivas (na parte superior e mais alta, ou na parte inferior e mais baixa) bem massageadas; a mestra deve enviar um alerta aos pais, se o problema for persistente.
Cabelos.
O cabelo, independentemente do estilo, deve estar sempre limpo e bem cortado, e a barba feita. Barba e cabelos crescidos e sujos geram, além de mau cheiro, coceiras devidas à foliculite e a parasitas do couro cabeludo. Após um dia de suor e poeira, tomar um bom banho lavando bem a cabeça. Prestar atenção permanentemente, principalmente quanto às crianças que freqüentam a escola, para verificar se há contaminação por piolhos.

O rosto.
O rosto é nosso cartão de apresentação principal. Contem um grande número de informações de interesse social. Uma pessoa sagaz, analisando os traços, os movimentos e o tratamento do rosto de alguém, pode intuir muita coisa sobre a sua personalidade, de modo que suas respostas em relação ao outro serão influenciadas por esses sinais. Não cabe aqui analisar essas mensagens porém apenas ressaltar os aspectos relativos à higiene.

Acne.
Lavar bem o rosto (e esfregar as costas com uma escova macia) é certamente uma medida eficaz para diminuir o número de espinhas ou acne, pois elimina a oleosidade excessiva da pele, pode desobstruir os poros e evitar o crescimento e a dispersão das bactérias na pele.

Limpeza do Nariz e da Garganta.
Este é um tópico atroz, no que diz respeito aos hábitos da gente comum, pouco educada e por isso pouco respeitadora da sensibilidade alheia, da higiene pessoal em locais privados e públicos. Ficou-me a lembrança de, ao me dirigir certa vez a uma seção no interior do prédio do Departamento dos Correios e Telégrafos para recolher uma encomenda especial, caminhando ao longo de um corredor iluminado por vidraças de janelas altas, ver as paredes revestidas de escarros ressecados, até a altura de cerca de meio metro do chão. Os funcionários, ao passarem diariamente por ali, displicentemente apertavam o nariz e o assoavam com violência na direção da parede, e cada um lá deixava a sua marca o que, ao longo dos anos, criou aquela crosta repugnante. Dava pena que isto acontecesse em um edifício cujo exterior, com sua imponente torre adornada por seu relógio, na esquina da avenida principal com a rua que beirava o largo rio, fronteiro a uma bonita ponte, era o cartão postal principal da cidade. Infelizmente, seus funcionários não ouviram da professora na escola primária que não se escarra no chão nem nas paredes.
Essa inépcia com a limpeza do nariz é somente dos brasileiros? Apesar dos estrangeiros de regiões civilizadas detestarem ver tal coisa no Brasil, também em outros países o povo rude tem hábitos igualmente reprováveis, que podem persistir em uma pessoa mesmo depois de ela adquirir um verniz doutoral. Vi um professor universitário, originário de uma ex-colônia britânica, que limpava o nariz com as mãos e esfregava os dedos na parede atrás da sua cadeira. Visto de frente no seu escritório, ele estava sentado tendo por fundo uma auréola de pequenos dejetos petrificados.
Não menos repugnante é aspirar ruidosamente o muco do nariz para o fundo da garganta e engolir, o que muitos fazem sem se importar onde estão, mesmo que estejam à mesa das refeições!
Outro péssimo hábito é escarrar na pia do banheiro, cuja bacia, nos banheiros de restaurantes ou de locais públicos, não raro mostram restos desses fluxos orgânicos. Se já está dentro de um banheiro, a pessoa deve usar o papel higiênico para assoar o nariz e lançar o papel usado no vaso e dar descarga.

Desculpem-me chamar a atenção tão cruamente para hábitos tão chocantes, mas tão comuns em nossa gente. Perdeu-se o hábito de as pessoas levarem consigo um lenço de cambraia, que deveria ter sido substituído modernamente pelo lenço de papel mas que foi simplesmente esquecido. Deve-se ter lenço de papel à mão para limpeza do nariz e também para o muco da garganta que deve ser discretamente cuspido no papel, que será suficiente para embalar a carga a ser lançada com segurança na cesta de lixo ou em um vaso sanitário. Não tendo lenços, folhas dobradas de papel higiênico, ou mesmo guardanapos de papel, podem ser levados na bolsa ou no bolso, para as emergências. Com certeza conta-se entre os gestos mais elevados de caridade ajudar a esse respeito às pessoas doentes e inválidas.

Coriza.
Se a criança ou o adulto está sempre de nariz escorrendo, isto sem dúvida os prejudica no relacionamento social. Se a causa é um resfriado, resfriados, necessita que seja incluída em sua alimentação elementos fortificantes como cálcio e vitaminas - principalmente vitamina "C". O Ministério da Saúde distribui o pó multi-mistura, rico em elementos nutricionais e vitaminas, para ser incluído nas refeições.
Mãos e unhas.
O aperto de mão quando esta está suada, suja e pegajosa e as unhas dos dedos estão crescidas e abrigam sujeira, causa repulsa. Desde muito cedo os meninos e as meninas devem ser ensinados a cuidar das unhas dos pés e das mãos. Aos meninos basta aprender a usar um cortador de unhas e a mantê-lo em sua caixinha ou gaveta pessoal, em casa. Os homens podem utilizar esse mesmo instrumento, simples e barato, em lugar de tentar cortar as unhas com tesouras grandes ou ponta de faca ou canivete. Ter um cortador de unhas em casa é conveniente mesmo para os que preferem pagar o serviço nas barbearias que oferecem manicuras para limpeza, corte, polimento e verniz. As meninas e as mulheres, mais que os homens, atentam para o cuidado com as unhas, mas não deveriam esperar até que a pintura fique em muito mal estado para refazê-la. Esmaltes de cores claras contribuem mais para o aspecto de limpeza e elegância das mãos femininas, que os esmaltes de cores escuras.

Defeitos físicos que chamam atenção e por isso desequilibram o relacionamento pela aversão natural que possam despertar nas outras pessoas, podem na maioria das vezes ser corrigidos pela cirurgia plástica. Os pais de uma criança que tenha nascido com lábios leporinos, ou o jovem portador de algum defeito físico hoje facilmente corrigível pela cirurgia, devem ser encorajados e auxiliados nesse particular. O mesmo se aplica a verrugas e pólipos.

======================

NOTAS:

Dermatoses.
A pele está sujeita a uma grande quantidade de doenças como resultado da falta de asseio agravada por fatores ligados à idade, ao sexo, ambiente de moradia, trabalho e transporte, e outras condições. Esses males, que constituem o grupo das dermatoses, são principalmente as piodermites, que são infecções inflamatórias diretamente provocadas por bactérias nas diversas camadas da pele, além de certas verminoses e micoses. Resultam de contágio e são transmissíveis por contácto, sendo mais freqüentemente incidentes durante a época mais quente e úmida do ano.

Foliculites
São piodermites representadas por folículos pilosos inflamados que produzem forte coceira na barba ou em qualquer área pilosa da pele (bordas do couro cabeludo na nuca, zona cabeluda do púbis, etc.). Pessoas mais sujeitas às foliculites devem lavar com mais freqüência os cabelos nessas partes mais susceptíveis de serem afetadas.

Impetigo.
O impetigo, também conhecido por impetigem e salsugem, comum em crianças, é contraído por contagio ao contacto da pele com superfícies contaminadas. Pode ocorrer em qualquer local da pele, porém é mais freqüente na face e extremidades e nas áreas do corpo expostas a objetos engordurados pelo uso público, como os assentos no transporte coletivo (contaminação na curva interna do joelho). Formam-se na pele bolhas que dão lugar a feridas planas, cobertas de um crosta tipicamente cor do mel.

Larva geográfica (Larva migrans)
É um verme cujos ovos são freqüentemente encontrado nas fezes de cães e gatos, depositadas na areia ou na grama. Em ambiente quente e úmido produzem as larvas que penetram na pele de quem se deita ou rola nos gramados ou na praia. As larvas se deslocam sob a primeira camada da pele, e produzem coceira. Os pés, as costas e as nádegas são as partes do corpo mais comumente contaminadas. Como prevenção é bom evitar caminhar descalço em terrenos e nas praias que se sabe freqüentada por cães. Deve-se deitar não diretamente sobre a areia ou a grama, mas sobre uma toalha, quando não se estiver vestido. Um farmacêutico experiente pode indicar uma pomada apropriada ao combate da larva e, caso não se obtenha o resultado esperado, é recomendada a consulta médica a um dermatologista.

Micose de praia (epitiríase versicolor).
Esta é uma micose muito comum em crianças e jovens que não vivem em condições ótimas de higiene. Apesar de ser conhecida como "micose de praia", apresenta-se também em outros ambientes. A causa está num desequilíbrio da flora natural da pele, fazendo com que uma espécie de fungo acabe proliferando. Por isso, o problema não surge necessariamente na praia. A pele contaminada pelo fungo apresenta manchas brancas arredondadas e ovaladas, nos braços, na nuca e base do pescoço, nas costas, no peito e no ventre. O tratamento é feito com antimicóticos de receita médica. Evita-se com banhos diários e secando-se bem o corpo, principalmente quando se vive em regiões de clima quente e úmido.

Ministério da Saúde.
O Ministério da Saúde mantém uma Coordenação de Alimentação Alternativa, sob a responsabilidade da notável pediatra e nutróloga Dra. Clara Takaki Brandão. Ela vem desenvolvendo, em vários Estados do país, um trabalho de recuperação de desnutridos através de alternativas alimentares, com excelentes resultados. Uma forma de minorar a desnutrição foi encontrada por Dra. Clara com a utilização do pó multi-mistura, fabricado a partir de fontes naturais de cálcio e outros sais minerais, vitaminas e proteínas, como a casca do ovo, as folhas secas de verduras de cor verde escura, sementes e grãos. Utiliza produtos regionais para fabricar vários tipos do pó, para serem acrescentados à dieta como suplemento alimentar, portanto sem nenhuma mudança radical dos hábitos alimentares. As receitas estão no livrinho Alimentação Alternativa, cuja primeira edição foi feita pela Divisão Nacional de Educação para a Saúde, do Ministério da Saúde, Brasília, em 1988.

Parasitas do couro cabeludo.
Os dois parasitas mais comuns das áreas peludas do corpo são o piolho e o chato. É muito comum crianças de qualquer classe social serem infestadas por piolhos. Estes, assim como os percevejos, passam aos assentos dos coletivos, às poltronas do cinema e às carteiras escolares e daí são levados para contaminar as residências. Basta que uma pessoa, que tenha os cabelos infestados, coce a cabeça ou use o pente para que algum piolho caia por perto. Chapéus e bonés, escovas de cabelo, pentes, travesseiros, encostos de cadeiras, assentos de carros são as vias de disseminação mais comuns. Os ovos do piolho, as lêndeas, são branco amarelados e colados firmemente aos fios do cabelo, e isso faz que, nas grandes infestações, pareça que a pessoa tem cabelos claros ou esbranquiçados. Ao sugar o sangue da pessoa infestada, o piolho injeta saliva na pele, a fim de diluir o sangue da vítima no local da mordida, o que provoca a coceira. Tal como os percevejos, os piolhos não transmitem doença: apenas causam tremendo incômodo à pessoa cuja aparência obviamente passará a imagem de desleixo e falta de higiene.
Existem muitos medicamentos, sob forma de shampoos, eficazes na eliminação dos piolhos. Porém, onde não estiverem disponíveis, a limpeza é feita com o uso continuado do pente fino e a paciente eliminação dos ovos ou lêndeas, praticamente fio a fio de cabelo, e troca freqüente da roupa usada por roupa limpa. A criança que tem piolhos não deve ser levada à escola antes que o mal esteja completamente debelado. Uma variedade do piolho, popularmente chamado "chato" também infesta as partes cabeludas do corpo. Localiza-se principalmente nos pêlos pubianos e nas axilas. Causam intenso prurido e pequenas inflamações da pele nos locais infestados. Existem medicamentos capazes de eliminar o parasita prontamente.

Pé-de-atleta.
Caracterizado pela coceira, é um tipo de micose que se manifesta entre os dedos e propaga-se para a planta do pé, na vizinhança das inserções dos dedos contaminados. Os sinais comuns são a descamação da pele formando placas esbranquiçadas, manchas vermelhas e rachaduras que coçam ou ardem. Em estado avançado de contaminação formam-se pequenos nichos circulares e dolorosos na pele, nos locais afetados. A contaminação em geral ocorre ao caminhar descalço por pisos úmidos, banheiros de hotéis, de vestiários, ou em piscinas e saunas de clubes. Secar bem os pés entre os dedos, após o banho, usar sandálias sempre que possível, ajuda o combate ao fungo. O uso de talcos anti-sépticos não parece dar resultado, e muitas vezes até parece que, por absorverem o suor do pé, pioram o mau cheiro. Chega-se a melhor resultado com um antimicótico líquido, que geralmente remove o fungo e a parte superior da pele afetada. Mas, isto que se sabe na prática, na verdade precisa ser confirmado por um médico.

Rubem Queiroz Cobra

Nenhum comentário:

Postar um comentário