Siga o blog por Email

MEDITAÇÃO DIÁRIA

domingo, 30 de setembro de 2007

Fisiologia do Exercício

Anabolismo X Catabolismo:

  • Anabolismo: são processos metabólicos que implicam na construção de moléculas a partir de outras. A síntese protéica, a síntese de ácidos graxos e a síntese de hormônios são exemplos de reações anabólicas.
  • Catabolismo: são processos metabólicos que implicam na “quebra” de substâncias complexas em substâncias mais simples. A “quebra” das proteínas do tecido muscular para obter energia é um exemplo de catabolismo.De uma forma bem simples podemos afirmar então, que o anabolismo é a construção e o catabolismo é a destruição.

Exercícios aeróbios X Exercícios anaeróbios

  • Exercícios aeróbios típicos são contínuos e prolongados, realizados com movimentos não muito rápidos (corrida, ciclismo, natação). Nestes exercícios, mais a duração e menos a velocidade dos movimentos, podem ser manipuladas para caracterizar a atividade como suave, moderada ou exaustiva.
  • Exercícios anaeróbios podem ser basicamente de dois tipos: de velocidade, com ou sem alguma carga (corrida, ciclismo, natação), ou lentos com carga (exercícios resistidos tais como a musculação com pesos e aparelhos), e sem carga (ginástica localizada).
carnitina

A carnitina tem o papel de transportar ácidos graxos de cadeia longa para o interior da mitocôndria a fim de produzir energia. Sua suplementação tem sido associada a melhora no desempenho desportivo em indivíduos saudáveis por vários mecanismos, dentre estes: a elevação na oxidação de ácidos graxos, alteração da homeostasia da glicose, melhora na produção de acilcarnitina e retardo no aparecimento da fadiga muscular1.

  • Glicólise – Desintegração das moléculas de glicose
  • Glicogênio – são moléculas de glicose unidas entre si, por ligações de oxigênio (Ligações Glicosídicas)
  • Glicogenólise – Desintegração do Glicogênio em glicose
  • Gliconeogênese – novas moléculas de glicogênio formadas por substâncias não convencionais

Sistema Aeróbico – (alático)

  • Glicose Aeróbica
  • Ciclo de Krebs
  • Transportadores de Elétrons
Termos Bioquímicos:
  • Grupo Acetil – molécula com dois carbonos
  • Acetil-CoA – grupo acetil combinado com coenzima A
  • NAD+ – forma oxidada (carreadores de oxigênio)
  • NADH – forma reduzida (carreadores de elétrons)
  • FAD+ – forma oxidada (carreadores de oxigênio)
  • FADH2 – forma reduzida (carreadores de elétrons)

Ciclo de Krebs

  • - Piruvato “penetra” nas mitocôndrias e continua sendo desintegrado
  • - é produzido dióxido de carbono
  • - ocorre oxidação e (redução)
  • - é produzido ATP
  • No ciclo de Krebs o piruvato (C3H4O3) é oxidado, o CO2 é removido, transformando-o num grupo acetil. Grupo acetil + coenzima A = acetil-CoA.
  • Neste ciclo, os CO2 que se formam vão para a corrente sangüínea.



QUESTIONÁRIO PARA ESTUDO


1. Os carboidratos, ingeridos durante a alimentação e armazenados na forma de polissacarídeo, desempenham importantes funções em nosso organismo, como: fonte energética, ativador metabólico, preservador de proteínas etc. Marque a alternativa que corresponde ao tipo de polissacarídeo e ao principal local de armazenamento de carboidratos em nosso organismo.

  • Glicogênio Muscular

2. Carboidratos, lípídios e proteínas são as principais fontes de energia do organismo, entretanto os mesmos não são utilizados na mesma proporção pelos músculos ativos. Marque a alternativa correta.

  • As gorduras são consumidas em maior parte durante exercícios aeróbios de longa duração.

3. A energia liberada durante a degradação dos alimentos não é usada diretamente para o trabalho muscular. Ela é utilizada para ressintetizar um composto químico de alta energia, armazenado nas células musculares. Qual das opções abaixo corresponde a este composto?

  • ATP

4. O sistema dos fosfagênios é a primeira via de ressíntese de ATP em exercícios de altíssima intensidade. Qual das opções abaixo representa a fonte de ressíntese de ATP utilizada no sistema dos fosfagênios?

  • Fosfocreatina

5. A glicólise pode ser acelerada pela redução nos estoques intra-musculares de:

  • ATP

6. O ácido láctico formado durante exercício de alta intensidade é removido do organismo de várias maneiras. Marque a alternativa que NÃO representa uma forma de remoção do ácido láctico.

  • Transformado em lipídio e armazenado nas células adiposas

7. A prescrição de um paciente de cinesioterapia era executar 15 extensões de joelho com sobrecarga. Sabendo que o tempo médio para execução dos movimentos era de 35 seg, cite qual o sistema energético predominava e porque este sistema é mais adequado para suprir a necessidade desta terapia.

  • glicolítico, por gerar energia de forma mais rápida que o sistema oxidativo

8. Um paciente sedentário precisou fazer o fortalecimento do tríceps braquial como uma das etapas de fisioterapia para uma tendinite. Nas primeiras sessões ele parava os movimentos de extensão do cotovelo antes de concluir o número de repetições proposto pelo fisioterapeuta. Sabendo que a atividade proposta era predominantemente glicolítica, descreva o mecanismo metabólico que induzia o paciente a interromper.

  • glicolítica, provoca aumento na produção de ácido láctico e íons hidrogênio livres no meio, o que acarreta redução do pH e conseqüente acidose.

9. Patrícia de Oliveira, atrasou-se para prova de fisiologia do exercício porque seu pneu furou, conseguindo chegar na universidade o elevador estava quebrado, subindo correndo pelas escadas (120 degraus). Qual a fonte predominante para a obtenção de energia mecânica para a contração muscular, neste caso?

  • Via glicolítica

10. Dois pacientes apresentavam VO2max de 4,0 l.min-1. Porém ao olhar cada laudo o fisioterapeuta verificava que um tinha 60 Kg e era classificado como bem condicionado enquanto o outro tinha 95 kg e era classificado como mal condicionado. Explique a classificação do laudo.

  • o cálculo do VO2 relativo

11. Ao medir a lactacidemia de um atleta muito bem condicionado verifica-se que este metabólito desaparece rapidamente da corrente sanguínea após um treinamento ou competição. Que motivo elucida o dado verificado.

  • A remoção de lactato do sangue se dá pela captação pelo fígado, coração e pelas fibras musculares de contração lenta (oxidativas). Quanto mais bem condicionado melhor é este sistema.

12. Um professor de educação física, um fisioterapeuta e um nutricionista discutiam qual a melhor conduta para um paciente obeso. A todo o momento, eles divergiam e citavam o quociente respiratório (QR ou RER) para justificar suas afirmações. Como o QR (RER) pode ser usado para justificar a conduta para com um paciente obeso?

  • O QR (RER) nos dá o percentual de participação de cada substrato energético, quanto mais perto de 1,0 mais participação da glicose, quanto menor mais participação dos ácidos graxos.

13. Henriqueta Maria, 65anos, sedentária, inscreveu-se no grupo de terceira idade do seu bairro e como resultado obteve melhora em suas atividades de vida diárias. A maioria dos elétrons que entram na cadeia transportadora de elétrons é oriunda:

  • da NADH e da FADH2 formadas no ciclo de Krebs.

14. O excesso de consumo de oxigênio na fase pós exercício corresponde à fase de recuperação, onde importantes processos de ajuste estão ocorrendo no organismo. É correto afirmar:

  • Na fase rápida do EPOC se está repondo as reservas de O2 tecidual e sangüíneo.


Metabolismo do Exercício

Exercício Intenso - 15 a 20 x o gasto energético em repouso
MM esquelética - energia utilizada em até 200 x do que em repouso

Transição do Repouso ao Exercício
  • Consumo de O2 é utilizado como índice da produção aeróbica de ATP

Na transição repouso / exercício o O2 aumenta muito e estabiliza (1' a 4')
  • Por quê não instantaneamente?????
  • Várias vias bioenergéticas estão envolvidas
  • Indivíduos treinados em atividades aeróbicas entram no sistema aeróbico antes
  • Adaptações cardiovasculares e musculares
  • Menor produção de ácido lático

Recuperação do Exercício
  • Intensidade do exercício X metabolismo pós-exercício
  • Déficit* de O2 X Débito de O2 / EPOC**
  • * captação de O2 no início do exercício
  • **excesso de consumo de O2 pós-exercício
  • Débito - porção rápida (2' a 3')
  • Débito - porção lenta (+ de 30')
  • Porção rápida
  • O2 para ressíntese da ATP e CP armazenados
  • estoques teciduais e sangüíneos de O2
  • PA / FC / FR - para os indivíduos treinados

- Porção lenta
  • conversão do ácido lático em glicose no fígado (gliconeogênese)
  • Temperatura e Hormônios circulantes
  • PA / FC / FR - para os indivíduos sedentários

Influência da Duração e Intensidade


Exercício Intenso de Curta Duração
  • Predominantemente anaeróbico
  • Quanto ao domínio: ATP-PC / Glicólise??? (Duração)
  • ATP-PC - 1'' a 7''
  • ATP-PC + Glicólise + Aeróbico (a partir de 45'')...

Exercício Prolongado
  • Predominantemente aeróbico (> 10')
  • Baixa intensidade - estado estável de captação de O2
  • Alta intensidade ou ambiente quente e úmido - não estável (captação de O2 aumentada)

Exercício Progressivo

  • Captação linear de O2 até o VO2 máx ser atingido
  • Daí, aumentando a potência não aumenta a captação de O2

Limiar de Lactato
  • Aumento sistêmico do ácido Lático sangüíneo (limiar anaeróbico)
  • Aumento do exercício -> aumenta o nível sangüíneo de ácido lático
  • Sedentários 50 a 60% VO2máx
  • Treinados 65 a 80% VO2máx


+ de 400 Trabalhos Escolares Prontos


Pegratis


Mais de 400 trabalhos escolares prontos, divididos em pastas:

-Biologia
-Espanhol
-Geografia
-História
-Inglês
-Literatura
-Português
-Química

(Indicado como meio de pesquisa, mas se utilizar para outros fins, é por sua conta.)

Provas para Download

ANS 2007 -Técnico em Regulação de Saúde Suplementar - Tipo 1
ANS 2007 -Técnico em Regulação de Saúde Suplementar - Tipo 2
ANS 2007 -Técnico em Regulação de Saúde Suplementar - Tipo 3
ANS 2007 -Técnico em Regulação de Saúde Suplementar - Tipo 5
Arquivo Nacional - Administrador DF (17/05/2006)
Arquivo Nacional - Administrador RJ (17/05/2006)
Arquivo Nacional - Agente Administrativo DF (17/05/2006)
Arquivo Nacional - Agente Administrativo RJ (17/05/2006)
Arquivo Nacional - Arquivista DF (17/05/2006)
Arquivo Nacional - Arquivista RJ (17/05/2006)
Arquivo Nacional - Assisntente Social RJ (17/05/2006)
Arquivo Nacional - Bibliotecário DF (17/05/2006)
Arquivo Nacional - Bibliotecário RJ (17/05/2006)
Arquivo Nacional - Contador RJ (17/05/2006)
Arquivo Nacional - Engenheiro Florestal RJ (17/05/2006)
Arquivo Nacional - Médico RJ (17/05/2006)
Arquivo Nacional - Psicólogo RJ (17/05/2006)
Arquivo Nacional - Químico RJ (17/05/2006)
Assistente de regulação da ASEP - 2002
Auditor do Tesouro da Prefeitura Municipal de Natal - RN - informática - ESAF

Aneel - Prova 2 - Especialista em Regulação - 22/08/2006
Aneel - Prova 3 Área 1 - Especialista em Regulação - 22/08/2006
Aneel - Prova 3 Área 2 - Especialista em Regulação - 22/08/2006
Aneel - Prova 3 Área 3 - Especialista em Regulação - 22/08/2006
Aneel - Prova 3 Área 4 - Especialista em Regulação - 22/08/2006
ANS - Especialista em Regulação de S. S. - Administração, Ciências Contábeis e Economia - TIPO 1
ANS 2007 - Especialista em Regulação de Saúde Suplementar - Odontologia - Tipo 4
ANS 2007 - Especialista em Regulação de S. S - Administração, Ciências Contábeis e Economia - TIPO 5
ANS 2007 - Especialista em Regulação de S. S. - Administração, Ciências Contábeis e Economia - TIPO 2
ANS 2007 - Especialista em Regulação de S. S. - Administração, Ciências Contábeis e Economia - TIPO 3
ANS 2007 - Especialista em Regulação de S. S. - Administração, Ciências Contábeis e Economia - TIPO 4
ANS 2007 - Especialista em Regulação de S. Suplementar - Qualquer Área de Nível Superior - Tipo 1
ANS 2007 - Especialista em Regulação de S. Suplementar - Qualquer Área de Nível Superior - Tipo 2
ANS 2007 - Especialista em Regulação de S. Suplementar - Qualquer Área de Nível Superior - Tipo 3
ANS 2007 - Especialista em Regulação de S. Suplementar - Qualquer Área de Nível Superior - Tipo 4
ANS 2007 - Especialista em Regulação de S. Suplementar - Qualquer Área de Nível Superior - Tipo 5
ANS 2007 - Especialista em Regulação de Saúde Suplementar - Direito - Tipo 1
ANS 2007 - Especialista em Regulação de Saúde Suplementar - Direito - Tipo 2
ANS 2007 - Especialista em Regulação de Saúde Suplementar - Direito - Tipo 5
ANS 2007 - Especialista em Regulação de Saúde Suplementar - Enfermagem - Tipo 1

Agente de pesquisa do IBGE
Agente de Telecomunicações Policial - Polícia Civil de São Paulo - 2001
Agente de Trânsito do DENTRAN/DF (2003)
Agente vistor da Prefeitura Municipal de São Paulo - prova 1
Agente vistor da Prefeitura Municipal de São Paulo - prova 2
Agente vistor da Prefeitura Municipal de São Paulo - prova 3
Agente vistor da Prefeitura Municipal de São Paulo - prova 4
Agente vistor da Prefeitura Municipal de São Paulo - prova 5
Analista da Comissão de Valores Mobiliários - 2001
Analista de Comércio Exterior do MDIC - provas 1 e 3
Analista de Comércio Exterior dp MDIC - prova 2
Analista de finanças e controle da Casa Civil - 2002
Analista de Orçamento - 1997
Analista de orçamento do MPOG - 2002 - prova 1
Analista de orçamento do MPOG - 2002 - prova 2
Analista de Planejamento e Pesquisa - MPOG - 2001
Analista de regulação da ASEP - 2002
Analista Judiciário - Especialidade Execução de Mandados do TRT da 23ª Região (27/06/2007)
Analista Legislativo da Câmara dos Deputados - prova discursiva - 2001
Aneel - Prova 1 - Especialista em Regulação - 22/08/2006

Agência Nacional de Vigilância Sanitária - Especialista em Regulação e Vigilância Sanitária/Engenharia Química/RJ
Agência Nacional de Vigilância Sanitária - Especialista em Regulação e Vigilância Sanitária/Estatística
Agência Nacional de Vigilância Sanitária - Especialista em Regulação e Vigilância Sanitária/Farmácia
Agência Nacional de Vigilância Sanitária - Especialista em Regulação e Vigilância Sanitária/Física
Agência Nacional de Vigilância Sanitária - Especialista em Regulação e Vigilância Sanitária/Medicina
Agência Nacional de Vigilância Sanitária - Especialista em Regulação e Vigilância Sanitária/Medicina Veterinária
Agência Nacional de Vigilância Sanitária - Especialista em Regulação e Vigilância Sanitária/Nutrição
Agência Nacional de Vigilância Sanitária - Especialista em Regulação e Vigilância Sanitária/Odontologia
Agência Nacional de Vigilância Sanitária - Especialista em Regulação e Vigilância Sanitária/Qualquer Área de Formação
Agência Nacional de Vigilância Sanitária - Especialista em Regulação e Vigilância Sanitária/Química
Agência Nacional de Vigilância Sanitária - Especialista em Regulação e Vigilância Sanitária/Química/RJ
Agência Nacional de Vigilância Sanitária - Especialista em Regulação e Vigilância Sanitária/Relações Internacionais
Agência Nacional do Petróleo - Técnico Administrativo
Agência Reguladora de Serviços Públicos Delegados do Estado do Ceará - Analista de regulação, advogado (24/10/2006)
Agência Reguladora de Serviços Públicos Delegados do Estado do Ceará - Analista de Regulação, Economista (24/10/2006)
Agência Reguladora de Serviços Públicos Delegados do Estado do Ceará - Analista de Regulação, engenheiro civil (24/10/2006)
Agência Reguladora de Serviços Públicos Delegados do Estado do Ceará - Analista de sistemas e de regulação (24/10/2006)
Agência Reguladora de Serviços Públicos Delegados do Estado do Ceará - Analista, administrador (24/10/2006)
Agente administrativo - TCE/RO - 01/2007
Agente da Polícia Federal - 2002

Agência Nacional de Vigilância Sanitária - Analista Administrativo/Estatística
Agência Nacional de Vigilância Sanitária - Analista Administrativo/Informática
Agência Nacional de Vigilância Sanitária - Analista Administrativo/Pedagogia
Agência Nacional de Vigilância Sanitária - Analista Administrativo/Psicologia
Agência Nacional de Vigilância Sanitária - Analista Administrativo/Qualquer área
Agência Nacional de Vigilância Sanitária - Analista Administrativo/Relações Públicas
Agência Nacional de Vigilância Sanitária - Especialista em Regulação e Vigilância Sanitária/Área de Saúde/RJ
Agência Nacional de Vigilância Sanitária - Especialista em Regulação e Vigilância Sanitária/Arquitetura
Agência Nacional de Vigilância Sanitária - Especialista em Regulação e Vigilância Sanitária/Biomedicina
Agência Nacional de Vigilância Sanitária - Especialista em Regulação e Vigilância Sanitária/Ciências Biológicas ou Biologia
Agência Nacional de Vigilância Sanitária - Especialista em Regulação e Vigilância Sanitária/Direito
Agência Nacional de Vigilância Sanitária - Especialista em Regulação e Vigilância Sanitária/Direito/RJ
Agência Nacional de Vigilância Sanitária - Especialista em Regulação e Vigilância Sanitária/Economia
Agência Nacional de Vigilância Sanitária - Especialista em Regulação e Vigilância Sanitária/Enfermagem
Agência Nacional de Vigilância Sanitária - Especialista em Regulação e Vigilância Sanitária/Engenharia Agronômica
Agência Nacional de Vigilância Sanitária - Especialista em Regulação e Vigilância Sanitária/Engenharia Civil
Agência Nacional de Vigilância Sanitária - Especialista em Regulação e Vigilância Sanitária/Engenharia de alimentos
Agência Nacional de Vigilância Sanitária - Especialista em Regulação e Vigilância Sanitária/Engenharia Eletrônica
Agência Nacional de Vigilância Sanitária - Especialista em Regulação e Vigilância Sanitária/Engenharia Mecânica
Agência Nacional de Vigilância Sanitária - Especialista em Regulação e Vigilância Sanitária/Engenharia Química

Agência Nacional de Transportes Terrestres - Planejamento, Orçamento e Finanças Públicas
Agência Nacional de Transportes Terrestres - Redação
Agência Nacional de Transportes Terrestres - Serviços de Administração da Agência
Agência Nacional de Transportes Terrestres - Serviços de Infraestrutura Ferroviária
Agência Nacional de Transportes Terrestres - Serviços de Infraestrutura Rodoviária
Agência Nacional de Transportes Terrestres - Serviços de Tranportes Terrestres de Passageiros
Agência Nacional de Transportes Terrestres - Serviços de Transportes Terrestres
Agência Nacional de Transportes Terrestres - Administração Geral
Agência Nacional de Transportes Terrestres - Estudos de Mercado dos Serviços de Transportes Terrestres
Agência Nacional de Transportes Terrestres - Estudos Regulatórios
Agência Nacional de Vigilância Sanitária - Analista Administrativo/Administração
Agência Nacional de Vigilância Sanitária - Analista Administrativo/Administração Rio
Agência Nacional de Vigilância Sanitária - Analista Administrativo/Arquitetura
Agência Nacional de Vigilância Sanitária - Analista Administrativo/Arquivologia
Agência Nacional de Vigilância Sanitária - Analista Administrativo/Biblioteconomia
Agência Nacional de Vigilância Sanitária - Analista Administrativo/Ciências Contábeis
Agência Nacional de Vigilância Sanitária - Analista Administrativo/Comunicação Social
Agência Nacional de Vigilância Sanitária - Analista Administrativo/Direito
Agência Nacional de Vigilância Sanitária - Analista Administrativo/Economia
Agência Nacional de Vigilância Sanitária - Analista Administrativo/Engenharia Civil

*Prova do Tribunal de Contas do Amazonas para cargo de Auditor (19/07/2007)
Academia da Força Aérea - 2000
Advocacia Geral da União - 1998
Advocacia-Geral da União 2004 - Procurador Federal - Prova Objetiva
Aeronáutica - Administração - EAGS
Aeronáutica - Curso de Formação de Oficiais Aviadores, Intendentes e de Infantaria (2005) - Provas de Física e Língua Portuguesa
Aeronáutica - Curso de Formação de Oficiais Aviadores, Intendentes e de Infantaria (2005) - Provas de Língua Inglesa e de Matemática
Agência Brasileira de Inteligência - Analista de Informações
Agência Estadual de Regulação dos Serviços Públicos/MT - Analista regulador
Agência Nacional das Águas - conhecimentos gerais
Agência Nacional das Águas - geoprocessamento
Agência Nacional das Águas - recursos hídricos
Agência Nacional das Águas - redação
Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL) - Prova 1 Área 1 - Analista Administrativo (18/04/2006)
Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL) - Prova 1 Área 2 - Analista Administrativo (18/04/2006)
Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL) - Prova 2 Área 1 - Analista Administrativo (18/04/2006)
Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL) - Prova 2 Área 2 - Analista Administrativo (18/04/2006)
Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL) - Prova para Técnico Administrativo (04/04/2006)
Agência Nacional de Transportes Terrestres - Fiscalização Econômica e Financeira das Outorgas
Agência Nacional de Transportes Terrestres - Movimentação de Cargas